Sábado, 12 de Março de 2011

Manifesto

Eis-nos aqui especados, com o problema diante dos nossos olhos, contudo sem o ver. Atentem bem nas notícias correntes e meditem um pouco: empresas de bens comuns batem recordes de lucro – bancos, petrolíferas, e outras – os ricos deste e doutros países estão cada vez mais ricos. Nós, cada vez mais precários. E assim estamos e assim continuaremos para contribuição unânime em favor de uma causa comum: aumentar a margem de lucro de uns poucos.

 

Mentem-nos quando nos falam de crise, enganam-nos quando nos enchem os ouvidos de “competitividade”, “flexisegurança”, “empreendedorismo” e outros convenientes termos que justificam o injustificável. Enquanto existir capitalismo, não existirá justiça social. Somos simultaneamente mercado e mão-de-obra barata. Pudéssemos comprar sem receber e teríamos o sistema garantido.

 

Amanhã manifestar-nos-emos, na presença de partidos que nada nos dizem ou fizeram por nós, sindicatos aos quais nem podemos pertencer, queixosos vários de motivos diversos e outros oportunistas. Nós, os filhos do meio da sociedade, não temos ideias, ideais ou líderes. Se nos dessem a escolher, contudo, votaríamos pela lei do capital pois preferimos as ilusões do capitalismo à segurança da noção de que o estado deve servir a maioria e ao princípio básico do socialismo: cada homem deve receber aquilo que o seu trabalho merece. Não vamos, contudo, exercer alguma vez tal escolha ou mesmo considerá-la. Somos filhos do capitalismo e estamos intoxicados pelos seus brindes.

 

Eu não sou rasca. Estive presente, contudo, na precisa ocasião em que nasceu esse termo. Não sou parvo. Não sou ignorante. Os comentadores políticos e doutos economistas e outros velhos charlatães de bons cargos e vencimentos que nada desconfiam das reais trincheiras da nossa sociedade nada me dizem, nada têm para me dizer e não lhes reconheço sapiência ou inteligência acima da minha própria, modesta que seja. Amanhã, ou hoje, dependendo da hora a que ainda escrevo este fútil texto, gostaria de ver uma manifestação sem políticos, sem polícias, sem opinadores, sem Jéis nem Falâncios, sem Deolindas, sem o politicamente correcto ou outros símbolos inconsequentes da nossa falta de ideais. Apenas nós. Porque se fôssemos apenas nós, mesmo que em absoluto silêncio, poderíamos demonstrar ao mundo inteiro que não somos gado: temos os olhos bem abertos e vemos tudo o que nos fazem.


publicado por Harpad às 01:40
link do post | comentar | favorito

.Mas, afinal, quem é esta besta?

.Contactar o provedor



.Pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Tópicos recentes

. a grande desinformação ci...

. the conspiracy against Eu...

. ecce homo

. ...uma questão:

. ...epá... maior discrição...

. a era da estupidez - 5

. a era da estupidez - 4

. something for the Europea...

. behold the great anglo-sa...

. ...vive la France...

.Velharias

. Setembro 2014

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Maio 2010

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Anúncios














.Contagem de vítimas


Harpad© 2014