Sábado, 1 de Março de 2008

Europa - I

Em 2006, um tipo cheio de razão e de modéstia que por acaso sou eu escreveu isto num dos seus antigos blogues. Para encher chouriço, aqui o deixo.
 

"A União Europeia não descende de uma longa linhagem de tentativas que pretendem unir os europeus em torno da sua história e da sua cultura, nem mesmo pretende assegurar a qualidade de vida dos europeus. A Europa é um estado do Capital. A Europa procura novamente o lugar de superpotência mundial que a história não a deixará ocupar.
 
A CECA não foi criada com o intuito de melhorar a vida dos europeus mas para gerir a forte competição franco-alemã e garantir a predominância do bloco central político e económico do nosso continente. Cinquenta anos depois os europeus foram confrontados com a primeira grande decisão política da SUA Europa, o referendo para a Constituição Europeia e chumbaram-na, não porque discordassem de alguns dos seus pontos, aliás, não acredito mesmo que a grande maioria de nós tivesse conhecimento suficiente para o fazer mas essencialmente porque não se identificam com a própria União Europeia o que há muito está comprovado, aliás, pelo forte abstencionismo nos escrutínios Europeus.
 
A liderança europeia passou décadas a tomar posições e decisões nas costas dos cidadãos, apesar dos esforços de alguns (poucos) visionários que pretendiam legitimamente transformar a Europa num continente dos europeus, unido em torno dos seus direitos. A entrega de algum poder de decisão aos cidadãos foi feita demasiado tarde. A União Europeia atolou-se em regras de gestão financeira, de tratados atrás de tratados que facilitam o expansionismo capitalista mas esqueceu-se das reformas da segurança social, do desemprego causado pelas deslocalizações, da formação profissional eficaz e generalizada, da imigração, entre outras questões talvez não menos importantes como a defesa comum e o ambiente. A verdade é que os lobbies, as multinacionais e os governos maioritariamente financiados por estes passam bem sem esta entrega das decisões aos europeus.
 
Em nome do défice os estados europeus desinvestem nas políticas sociais. No perfeito mundo neoliberal o estado é gerido por uma elite que se reveza invariavelmente nas urnas e cujo papel é legislar para uma minoria que detém a quase totalidade do poder económico. Em nome da competitividade económica os cidadãos são mera mão-de-obra tão barata quanto possível e um mercado de onde se extrari a riqueza. Resta saber o que irá suceder quando as empresas europeias se concentrarem nas portas de Vladivostock ou Bombaim e metade dos europeus se encontrar no desemprego."
tags:

publicado por Harpad às 23:00
link do post | comentar | favorito

.Mas, afinal, quem é esta besta?

.Contactar o provedor



.Pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Tópicos recentes

. a grande desinformação ci...

. the conspiracy against Eu...

. ecce homo

. ...uma questão:

. ...epá... maior discrição...

. a era da estupidez - 5

. a era da estupidez - 4

. something for the Europea...

. behold the great anglo-sa...

. ...vive la France...

.Velharias

. Setembro 2014

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Maio 2010

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Anúncios














.Contagem de vítimas


Harpad© 2014