Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

este país não é para jovens

Eu, tal como muitos outros, pertenço, em teoria, à chamada “geração rasca”. Ou à “geração à rasca”. Ou à "geração deolinda”. Ou o quer que se nos lembrem de chamar. Não é importante o nome, aqui. Importante, isso sim, é que somos a primeira geração em muitas com um nível de vida inferior ao dos nossos pais. Importante é sermos todos parte de uma geração urbana e instruída que, pela primeira vez em muito tempo, trabalha para o dia-a-dia e não para o futuro.

 

Somos a geração sacrificada em nome das estatísticas do nível de ensino. Somos a geração sacrificada em prol da “competitividade” e da “flexibilização”, conceitos que não significam mais do que meios de melhoramento da margem de lucro de uns poucos privilegiados. Somos uma geração jovem a tentar sobreviver num país dominado por velhos onde o conceito de mérito facilmente se confunde com a mera passagem do tempo. Somos uma geração habituada a ver velhos atribuírem prémios, títulos e regalias a outros velhos por terem produzido numa vida inteira aquilo que somos obrigados a fazer num ano a recibos verdes e sem qualquer crédito. Não há lugar para nós nesta terra. Todos os bons lugares já foram ocupados por gente muitas vezes com menos mérito, talento e vontade.

 

Que parvos que somos todos nós. Deixamos que os media e velhos contabilistas e outros miserabilistas nos digam que não temos futuro. Mas temos. Vão-te todos embora, digo eu. Se tudo está assim tão mau, que desapareçam eles todos daqui, abdiquem dos cargos, salários e reformas, já agora, que nós tratamos disto. Nós conseguiremos, eles já tiveram uma oportunidade. Nem lhes passa pela cabeça do que somos capazes da fazer nem da nossa capacidade de trabalho. Vejo-o todos os dias, a toda a hora. Para já não passamos de uma massa vergada sobre o peso do trabalho ou da ausência dele, exaurida pelo sentimento de injustiça, unidos em torno de coisas simples de modesto significado, como uma simples música. Mas lá iremos.

 

Para já ainda nos podemos esquecer de que o capitalismo, hoje, tal como ontem e tal como o continuará a ser, se alimenta de gerações inteiras para dar guarida a muito, muito poucos. A história, no entanto, tem muito a ensinar: as massas não se esmagam, quanto muito vergam – e só até um certo ponto.


publicado por Harpad às 22:49
link do post | comentar | favorito

.Mas, afinal, quem é esta besta?

.Contactar o provedor



.Pesquisar

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Tópicos recentes

. a grande desinformação ci...

. the conspiracy against Eu...

. ecce homo

. ...uma questão:

. ...epá... maior discrição...

. a era da estupidez - 5

. a era da estupidez - 4

. something for the Europea...

. behold the great anglo-sa...

. ...vive la France...

.Velharias

. Setembro 2014

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Maio 2010

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Anúncios














.Contagem de vítimas


Harpad© 2014